Início > Nosso pitaco > Um problema, meia solução

Um problema, meia solução

A notícia que tem estampado os jornais em São Paulo na última semana refere-se ao movimento do Governo e da Prefeitura Paulista em retirar os viciados da cracolândia. Segundo algumas autoridades paulistas o objetivo é “causar dor” para que eles busquem tratamento para a dependência química.

Sempre achei que a função do Estado fosse garantir a qualidade de vida da população, por isso não entendo como “causar dor” possa ser um meio idôneo de fazer com que essas pessoas busquem tratamento. Ademais, perseguir ou dispersar os viciados da cracolândia não é garantia de que busquem tratamento.

No mais, será que o governo ou a prefeitura têm estrutura suficiente para tratar, os viciados de São Paulo? Se o plano de Kassab – perseguidor de todos que sejam e aparentam ser “desviados”, como os artistas de rua da Av. Paulista – e de Alckmin der certo e os habitantes da cracolândia resolverem, todos de uma vez, buscar tratamento ambulatorial, como isso seria resolvido? Há notícias de que serão criadas diversas vagas em centros de reabilitação para dependentes químicos, mas isso será apenas em meados de 2012, e até lá?

Mas na verdade o que me espanta é como os dirigentes paulistas mostram como são bons em não resolver problemas, mas apenas em mandá-los para outros lugares.

No meio de 2011 a prefeitura de São Paulo cogitou mandar os viciados recolhidos nas ruas da capital para suas cidades de origem. Sabe-se lá porquê esse plano bizarro não vingou.

Agora resolveu-se dar uma meia solução mais simples e econômica. Simplesmente perseguir os usuários e moradores de rua que encontram-se no centro da Capital. Com isso, esses “não-cidadãos” foram forçados a migrar para outras regiões de São Paulo. Diversas reportagens já dão notícias do aumento do número de viciados na zona sul, próximo à Av. Água Espraiada (rebatizada, erradamente, de Jornalista Roberto Marinho), outras regiões próximas ao centro e ao Tatuapé e Av. Aricanduva.

Alguns moradores de bairros nobres, como Higienópolis, estão preocupados, pois sabem que o movimento natural dos moradores da cracolândia são as ruas de seus bairros.

Sem opção de moradia ou dormitórios, os ex-moradores da cracolândia têm que buscar abrigo nas ruas de outros bairros, e isso incomoda moradores e comerciantes. Afinal ninguém fica feliz ao ver a degradação que o crack provoca. Soma-se a isso a sujeira e violência provocada por viciados.

Posso ser um pouco exigente, mas acho que o modo de resolver um problema não é jogando a poeira para debaixo do tapete. Se há um problema e queremos resolvê-lo devemos buscar uma solução completa, e não meia solução, como as soluções dadas reiteradamente pela prefeitura paulista.

O caso dos moradores da cracolândia é só mais um exemplo de como o Kassab age na prefeitura. Busca camuflar o que incomoda. Mais preocupado com a especulação imobiliária e com os interesses de grupos econômicos, Kassab faz mais uma de suas lambanças na Terra da Garoa.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: