Arquivo

Posts Tagged ‘PMDB’

A terceira opção

20 de março de 2012 Deixe um comentário

Tem-se dado bastante atenção às candidaturas de Serra e de Fernando Haddad. Os jornais de São Paulo parecem realmente acreditar que não se pode sair dessa dicotomia. Mesmo com mostras que a eleição na capital paulista não é tão simples como pensa a maioria, todos insistem em que PT e PSDB travarão mais um duelo.

Esquecem-se da útima eleição, quando Kassab, o azarão, acabou por superar Geraldo Alckmin, foi para o  segundo turno e derrotou o PT de Marta Suplicy.

Cada vez mais acredito que  as previsões tucanas não se concretizarão. Na minha opinião escolheram o pior candidato possível. Serra tem alta rejeição, é antipático, não cumpre o prometido e representa a péssima administração paulistana.  Fora isso, impede o crescimento de novas lideranças no ninho tucano, sufocando novos candidatos eleição após eleição.

Mas esse post não para falar do Serra, é para mostrar que há uma terceira candidatura que, ao meu ver, irá fazer com que essa eleição seja bem mais disputada do que os analistas políticos estão pensando.


Chalita conseguiu hoje sua segunda aliança, mais uma vez com um partido ligado à igreja. Já havia fechado com o PSC, hoje foi anunciado que o PTC também aderiu à candidatura do pemedebista.

Por mais que sejam partidos nanicos e pouco expressivos, mostra que a candidatura de Chalita está de pé. Mais importante do que isso, Chalita está angariando apoio no nicho eleitoral que nas últimas eleições votou no PSDB, ou melhor, contra o PT. Se o apoio desses partidos trouxer parcela expressiva do eleitorado conservador pertencente ao seguimento religioso, o PMDB de Chalita terá grandes chances de crescer e disputar o segundo turno. E, sinceramente, duvido que o PT fique fora do segundo turno.

Com isso o PMDB terá grandes chances de assumir o vácuo que o próprio PSDB criou em São Paulo ao deixar José Serra sufocar novas lideranças com suas insistentes candidaturas.

A população de São Paulo está cansada da lentidão do governo do PSDB, que demora para inaugurar metrô, que fecha as delegacias nos fins de semana e à noite, que teima em não contratar servidores públicos apesar da clara falta deles. Está cansada de ver a violência aumentando no Estado, de ver paralisações de professores e outros servidores públicos por causa de baixos salários.

Com Chalita na prefeitura de São Paulo o PMDB terá uma ótima vitrine para alavancar a candidatura de Paulo Skaf ao governo do Estado e, quem sabe, desbancar Geraldo Alckmin. Tanto Chalita quanto Skaf irão buscar os mesmos votos que historicamente são do PSDB, portanto o cenário mais provável, caso Chalita vença a prefeitura, é que a disputa entre PT e PSDB em São Paulo seja substituída pela disputa entre PT e PMDB.

Isso se dará por culpa do próprio PSDB, que teima em não lançar nomes novos para disputar a prefeitura de São Paulo. Caso Serra seja derrotado somente Alckmin terá forças para representar o PSDB, o que não garantirá que consiga alavancar um novo nom
e para a prefeitura em 2018, mesmo que tenha sido reeleito.

Esperemos para ver, mas acredito que Chalita, ex-PSDB, será quem irá fazer o funeral tucano em São Paulo.

Anúncios

E Serra pode ser, novamente, o candidato do PSDB

8 de dezembro de 2011 Deixe um comentário

Nos últimos dias os jornais têm estampado notícias que demonstram que Serra sinaliza ter aceitado candidatar-se a prefeito da cidade de São Paulo.

Com isso, a tendência é que o PSD, partido de Kassab, apoie o PSDB nas eleições. Há também a possibilidade do DEM, que já disse que não entraria numa coligação da qual o PSD faça parte, volte atrás nas declarações e embarque na candidatura de Serra.

Independente da força que terá a aliança, do peso no nome de Serra e do tempo de TV e rádio, eu não acredito lançar Serra para prefeito seja uma boa alternativa para o PSDB.

Há tempos que os tucanos temem em mostrar um candidato novo. Por isso perderam Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, Gustavo Fruet no Paraná e Gabriel Chalita, na minha opinião o candidato com mais chances de vitória à prefeitura de São Paulo.

Temem lançar um candidato que não emplaque logo de cara e percam a chance de administrar a cidade. Esquecem-se que política deve ser pensada a longo prazo.

Com isso mais uma vez as chances de Serra, hoje um dinossauro da política tupiniquim, ser candidato aumentam. Esquecem-se da grande rejeição que o tucano enfrenta. Esquecem-se de que o povo paulista nunca o viu cumprindo um mandato inteiro – apesar do documento assinado quando foi candidato à prefeitura – e que é ele o principal responsável pelo crescimento de Kassab, que esmagou Alckmin nas eleições de 2008.

Serra é um candidato que traz discórdia consigo. Não será capaz de unir o PSDB em torno do seu nome. Para muitos tucanos o melhor cenário possível é Serra perder o pleito, fazendo assim o seu próprio funeral político. Um desses é Geraldo Alckmin, que creio estar alimentado a ideia de Serra ser prefeito para poder ver o meio aliado, meio rival enforcar-se na própria ambição. Com isso o PSDB paulista seria comandado apenas por seu grupo, ficaria livre para atuar da forma que bem entender em São Paulo.

Os motivos que fazem Serra ser um ótimo candidato para os adversários são simples. Tem forte rejeição, deixou o prefeitura nas mãos de Kassab, que mostrou ser o pior prefeito desde Celso Pitta, não está acostumado a cumprir promessas de campanha, e é um nome que todos sabem qual é o teto de sua votação.

Soma-se a isso o fato de que um de seus adversários será Gabriel Chalita, ex-secretário da Educação de São Paulo e ex-tucano. Saiu do PSDB porque não via espaço para que pudesse alcançar suas pretensões políticas. Depois de uma breve passagem pelo PSB foi para o PMDB, partido que está buscando espaço em São Paulo e com isso irá investir pesado para ganhar a capital.

Chalita buscará os mesmos votos que foram do PSDB outrora. Não duvido que consiga. É um nome novo, é simpático e terá muitos recursos financeiros para sua campanha. Soma-se que o apoio do DEM está cada vez mais próximo, uma vez que o partido se recusa a dividir a aliança com Kassab.

O PSDB, assim como fazem o PT e o PMDB, deveria investir em um nome novo, quem sabe um dos pré-candidatos. As chances de vitória podem parecer pequenas no momento, mas certamente com a propaganda eleitoral o candidato ficará mais conhecido e crescerá nas pesquisas. Resta saber se será o bastante para disputar o segundo turno. O momento é propício, os principais adversários nunca disputaram um cargo majoritário e também são desconhecidos do eleitorado.

Se o PSDB continuar com sua postura de só apostar em figuras há muito conhecidas perderá muitos Chalitas, Eduardos Paes e Fruets até aprender que eleição também se faz pensando a longo prazo.

Dilma e a crise

16 de agosto de 2011 Deixe um comentário

Nos últimos dias o ambiente em Brasília não é dos melhores. Após as baixas no Ministério dos Transportes, o governo Dilma mostra que um dos seus objetivos é acabar com a festa que é Brasília, e mais uma operação da Polícia Federal, agora no Ministério do Turismo, acabou por prender diversos tubarões que aproveitavam-se de cargos públicos para mamar nas tetas do governo.

A Polícia Federal está trabalhando a todo vapor. Ao que parece, busca fazer uma limpeza na capital. Não está lá muito preocupada com os partidos aos quais os investigados são filiados ou de quem são afiliados políticos. Já caíram apadrinhados de Valdemar da Costa Neto (esse é o campeão em escândalos), de Marta Suplicy e pessoas ligadas ao PT, PMDB e PR.

Tendo em vista o alcance das investigações o Congresso está agitado. Os partidos da base aliada rebelam-se e esperneiam. Reclamam de Dilma e do tratamento dado pela Polícia Federal aos seus filiados. Sou obrigado a concordar que algumas atitudes foram absurdas, como deixar vazar as fotos dos políticos sendo fichados. É um constrangimento desnecessário, que em nada ajuda para a elucidação da verdade ou para qualquer outra coisa, só faz colocar mais lenha na fogueira.

Em que pese esse fato, os parlamentares não estão muito preocupados com as fotos de seus colegas. Estão preocupados porque temem que sejam os próximos a ser investigados. Há gente no Congresso que está envolvido em tramoias até o pescoço – e mesmo assim nós, brasileiros, continuamos votando nesses Calheiros e Valdemares – e sabem que se a PF continuar trabalhando a chance de chegarem a eles é grande.

Os partidos aliados ameaçam rebelar-se, dão a desculpa que é por causa do atraso na liberação de emendas. Será que é só isso?

Já há pessoas criticando Eduardo Cardozo, afinal, como ele permitiu que deflagrassem a operação? Deveria ter avisado os “amigos”. O próximo passo será pedir a cabeça do Ministro. Espero que Dilma não se curve às pressões. Cardozo é um dos Ministros mais competentes do Governo e está fazendo um ótimo trabalho ao não impedir que a PF exerça suas funções.

O certo é que Dilma terá problemas. Vai enfrentar a fúria do Congresso por não permitir que quadrilhas ajam livremente pelo Planalto. Está dando os primeiros passos para que um sonho antigo dos brasileiros torne-se realidade, que os bandidos do colarinho branco sejam investigados para, após, serem punidos.

O mais interessante é que apesar da imprensa sempre bradar por moralidade na política ela está mais preocupada com as turbulências no parlamento do que com as investigações. Não seria a hora de acompanhar o desenrolar das investigações e mostrar que está-se buscando a moralização da política? Ou será que estão mais preocupados em vender manchetes mostrando que o Governo está balançando?

FHC na presidência do PSDB

26 de novembro de 2010 Deixe um comentário

Surgem rumores que aliados do PSDB gostariam de ver FHC na presidência do partido. Encabeçando os entusiastas da proposta figura Raul Julngmann, do PPS. Defende que FHC seria o único capaz de acabar com as desavenças do PSDB mineiro, liderado por Aécio Neves, e do PSDB paulista, liderado por José Serra.

Sem dúvida o PSDB, caso deseje voltar ao poder federal, ter candidatos competitivos e recobrar o respeito da sociedade, necessitará acabar com as guerras internas – das quais Serra é sempre um dos protagonistas – rever alguns conceitos e projetos e unir-se em torno de um ideal comum. Sem dúvida que no quesito de unir o PSDB e acaber com as desavenças regionais FHC seria o mais indicado para assumir a presidência, possui o respeito e admiração do todo partido além de ser um hábil político com trânsito em todos os segmentos tucanos.

Resta saber se FHC aceitaria liderar um movimento de renovação ideológica e até mesmo de quadros – é inegável que o PSDB possui diversos quadros fortes regionalmente, porém quando se fala de Brasil só lembramos de Aécio Neves, FHC, Serra e Alckmin, os demais são lideranças regionais sem projeção federal. FHC já manifestou-se contrario à refundação do PSDB, e nesse momento o PSDB precisa rever sua ideologia e até mesmo a política de alianças.

Com FHC na presidência do partido seria possível que os tucanos defendessem a sua administração, que deu as bases para que Lula conseguisse avançar tanto na distribuição de renda e nas ações sociais do governo. Foi do PSDB o PROER, que impediu que os bancos brasileiros quebrassem junto com a economia mundial (até Lula falou que o resto do mundo deveria adotar o modelo brasileiro). Enfim, houve muitos avanços durante a gestão FHC, porém o PSDB sempre teve medo de defender sua gestão com medo de comparações baseadas nos índices de crescimento, resultado, se nem o PSDB defende a sua gestão fica difícil para a população acreditar que a gestão FHC foi boa e que os tucanos são bons administradores.

Certamente a refundação do PSDB deve incluir a defesa das ações e projetos feitos durante o governo FHC, e quem melhor do que o próprio FHC para defender sua administração?

Porém, há poréns na questão de se ter FHC à frente do PSDB. Não se sabe se FHC aceitaria tal incumbência e não se sabe se os caciques tucanos desejam ver o ex-presidente à frente do partido. Como já foi dito, quem encabeça a proposta é Raul Jungmann, do PPS, que apesar da proximidade com o PSDB não possui poder decisório.

Esperemos para ver o andamento. O certo é que se o PSDB não conseguir acabar com as disputas internas e rever suas ações e ideais, estará fadado a ser mais um PMDB, porém um PMDB sem ministérios.

Jogo Baixo

14 de outubro de 2010 2 comentários

Hoje recebi um e-mail de alguns evangélicos fanáticos orientando os fiéis a não votarem na Dilma. A justificativa é que Temer seria um satanista e promoveria a perseguição a cristãos no Brasil afora.

Já sabemos que a TFP, organização golpista, preconceituosa e retrógrada está apoiando a candidatura de José Serra, mas pelo jeito eles não são os únicos malucos fanáticos ao lado do tucano. O PSDB está colecionando apoio de instituições que deveriam se ater a própria ignorância e falta de bom senso e calar sobre os rumos do país, uma vez que sempre que se manifestam sobre política vemos absurdos serem vomitados das bocas dos bispos, pastores e (quem diria) apóstolos.

No e-mail que recebi hoje um tal de Daniel Mastral, que se diz ex-satanista e hoje ganha dinheiro escrevendo livros para fanáticos religiosos, alega que Temer seria um dos maiores líderes satanistas do Brasil. Diz ainda que Dilma morrerá até o fim do mandato e Temer promoverá a perseguição de cristãos.

Acredito que ninguém que leia esse blog acredite em groselhas desse nível, portanto não vou me dar ao trabalho de rebater as declarações desse picareta, mesmo porque acredito que um satanista fanático é tão prejudicial quanto um evangélico fanático ou qualquer membro da TFP. Ademais, não me interessa se Temer é satanista ou não (apesar de duvidar muito que ele seja), o que me interessa é que ele é muito mais sério e preparado para ser vice-presidente que Índio da Costa, que é um demagogo membro do partido que melhor representa o atraso e a corrupção da política brasileira.

O que mais me enoja na campanha de Serra e do PSDB são as mentiras que estão sendo veiculadas na internet e até mesmo no programa eleitoral, ou alguém vai dizer que não é mentira dizer que a Dilma não tem experiência? Se não é experiência ser Secretária de Minas e Energia e Secretária da Casa Civil do Rio Grande do Sul e Ministra de Minas e Energia e Ministra da Casa Civil eu não faço idéia o que é ter experiência.

A pior coisa que pode ter acontecido foi a eleição ter ido para o segundo turno com Serra como candidato, esse é um político inescrupuloso e que já demonstrou que passará por cima de tudo e de todos para atingir seus objetivos pessoais, mas isso serão assuntos de outros posts.

Com Serra desesperado a campanha tomou um rumo perigoso que a única coisa positiva é que agora vemos claramente que a sociedade brasileira precisa ser reformada, pois há um número perigoso de fanáticos religiosos que querem se intrometer na política.

Quando esses acéfalos de Cristo dizem que Dilma e o PT irão perseguir cristãos estão papagaiando o que os safados oportunistas que dizem-se bispos, pastores e ministros falam em seus sermões. O discurso desses malucos é o mesmo usado pela TFP, que ajudou as acabar com a democracia brasileira em 1964.

Isso é deveras prejudicial tanto para a democracia quanto para a vida em sociedade. Essas pessoas estimulam  preconceito racial, social, religioso, etnico e sexual.

O problema desses grupos apoiarem um candidato é que exigirão desse candidato, caso seja eleito, que faça a vontade deles. Esses fanáticos são tão perigosos quanto os xiitas islâmicos que querem implantar a “lei de Alá”, o problema é que (deveriamos) viver num Estado laico.

O que esses grupos querem na verdade é perseguir quem não concorda com suas doutrinas. Buscam reprimir pessoas de outras religiões, perseguir homossexuais e acabar com as liberdade individuais.

O desespero dos tucanos chegou num nível que a única saída para eles é aceitar o apoio de lideranças anti-democráticas para vencer as eleições. Com isso o PSDB rasga a biografia de seus fundadores com o intuito de chegar ao poder e satisfazer as pretensões pessoais de Serra, um fim melancólico para um partido que já foi sério.

Balanço Eleitoral

4 de outubro de 2010 5 comentários

O primeiro turno das eleições chegou ao fim. Temos boas e más notícias. Como sou uma pessoa otimista começarei pelas boas novas.

O pagodeiro, apresentador de TV, pugilista e, nas horas vagas, agressor de mulheres, Netinho de Paula, não foi eleito. Bom pra São Paulo, bom pro Brasil. Com esse estorvo fora do Senado teremos um país um pouco mais sério (apesar do Tiririca).

Mas vamos aos números pelo Brasil. No Senado o governo deu um baile na oposição. O PT e o PMDB juntos elegeram 27 Seandores, 12 e 15 respectivamente. Juntado-se o PSDB, DEM e PPS a oposição elegeu oito Senadores. E mais, figuras como Tasso Gereissati, Artur Virgílio, Marco Maciel perderam suas cadeiras.

Isso mostra que a oposição realmente não soube trabalhar nesses oito anos de governo Lula e que caso deseje continuar a existir terá que repensar a forma de fazer política. A derrota no Senado foi vergonhosa, com os senadores que a oposição passará a ter na próxima legislatura não dará para impor derrotas ao governo como foi feito no governo Lula.

A Dilma governará – eu sei que ainda terá o segundo turno, mas nem o próprio Serra acredita que pode vencer – com ampla maioria no Senado, situação que deve se repetir na câmara dos deputados. Assim poderá aprovar com mais facilidade tudo que o Lula não aprovou. Será uma oportunidade e um desafio (sobre isso será feito um post após o segundo turno) caberá a Dilma e a sua equipe de governo aproveitar a situação e fazer as reformas que o Brasil precisa.

Uma ótima notícia nessas eleições foi o crescimento de partidos sérios, como o PDT, PSB, PC do B e PSOL. Ao todo esses partidos elegeram oito Senadores (o mesmo que PSDB, DEM e PPS juntos). Sabe-se que o PSOL é o PT de vinte anos atrás, portanto fará o que o PT de vinte anos atrás fazia, oposição. Quanto aos demais partidos têm senadores suficientes para mostrar força no Senado e reduzir a insegurança caso haja uma rebelião do PMDB, além disso mostra que a democracia brasileira está amadurecendo e dando mais valor a partidos sérios que a legendas de aluguel e aos coronéis de outrora.

Já nos Estados nem parece que a eleição no Senado foi esse passeio todo. PT  e PSDB têm o mesmo número de governadores eleitos em primeiro turno, quatro cada um. PMDB e PSB seguem logo atrás com três governadores cada. O DEM conseguiu eleger dois governadores e o PMN um.

No segundo turno o PSDB tem cinco candidatos, seguido pelo PMDB e PSB com três cada. Já o PT disputa o segundo turno em dois Estados.

Isso mostra que apesar do baixo número de votos que a oposição apresentou no Senado a lógica não foi a mesma na disputa pelo governo, pois o PSDB pode ficar a frente de mais Estados que o PT e o PMDB juntos. Também mostrou que a população vota em projetos, pois do mesmo modo que Minas Gerais impôs uma derrota ao Serra, elegeu com uma vitória fantástica Anastasia, sucessor de Aécio Neves, quadro que se repetiu em outros Estados.

Outro fator bom foi o desempenho do PSB, que conseguiu eleger três governadores no primeiro turno e disputará mais três governos no segundo turno. Com o PSB ganhando força no quadro nacional o Brasil só têm a ganhar, pois é uma partido ideológico com pessoas e idéias novas. É uma força emergente que pode fazer com que o jogo político torne-se menos fisiológico.

Mas nem tudo são rosas. O palhaço Tiririca foi eleito com mais de um milhão de votos em São Paulo. Isso mostra que o paulista – que fala tanto que os resto do Brasil não sabe votar – não sabe votar. O eleitor paulista ainda acha que política é brincadeira. Felizmente, Kiko do KLB (é aquele cantor que tem cara e propostas de retardado) não estará no Congresso no ano que vem, mas conseguiu mais de 38 mil votos, o que mostra o desinteresse e irresponsabilidade do eleitor. Mais uma vez digo, enquanto o eleitor não levar política a sério e eleger esses trastes não adiantará reclamar que os políticos são corruptos. Cada povo tem o governo que merece e para um povo que elege Tiririca, Kiko do KLB e Valdemar da Costa Neto temos um governo muito melhor do que o esperado.

Se o paulista mostrou consciência ao não eleger o Netinho de Paula mostrou imaturidade, ignorância, falta de bom senso e irresponsabilidade ao eleger esses outros deputados que não coloquei aqui. Os políticos só respeitarão o povo e o povo só respeitará os políticos quando pararmos de fazer palhaçada na hora de votar.

A oligarquia Sarney, símbolo do atraso brasileiro

Mas como irresponsabilidade eleitoral não é monopólio de São Paulo terei que falar um pouco do Maranhão, onde a filha da Oligarquia mais nefasta desse país foi eleita em primeiro turno. Rosena Sarney, apoiada pelo PT nacional (o PT maranhense preferia apoiar Flávio Dino do PC do B) venceu em primeiro turno. Infelizmente demorará pelo menos mais quatro anos para o Estado do Maranhão ter um bom governo, mas não pode-se fazer muita coisa quando o próprio povo prefere o atraso ao desenvolvimento.

Durante a semana faremos mais comentários sobre o resultado do primeiro turno, falaremos em particular de pessoas e Estados, mas por enquanto that’s all, folks.

Quércia desiste da candidatura ao Senado para tratar câncer

5 de setembro de 2010 Deixe um comentário

De Folha On-line em 5 de setembro

“Orestes Quércia (PMDB), 72, comunicará nesta segunda-feira a retirada da candidatura ao Senado por São Paulo para se tratar do retorno de um câncer na próstata do qual sofreu anos atrás. Na mesma oportunidade, o ex-governador anunciará o apoio ao companheiro de chapa Aloysio Nunes Ferreira (PSDB).

Em conversa de Quércia com a cúpula tucana neste domingo, ficou acertado que o primeiro suplente de Aloysio será Airton Sandoval (PMDB), e não mais Sidney Beraldo (PSDB). Em consequência do acordo, o ex-chefe da Casa Civil no governo de José Serra passará a ocupar, na propaganda de TV, o tempo das duas vagas ao Senado da chapa.

Com 26% no Datafolha, Quércia está tecnicamente empatado com Netinho de Paula (PC do B), que tem 28%, no segundo lugar, atrás de Marta Suplicy (PT, 33%). Aloysio aparece em quinto, com 12%.”

Espero que Quércia recupere a saúde o mais rápido possível.

Infelizmente com a desistência de Quércia as chances do Netinho de Paula aumentam ainda mais. Nas próximas pesquisas veremos se Quércia conseguirá transferir seus votos para Aloysio Nunes, espero que sim, assim teremos um Senador sério ao invés de um pagodeiro que acha que é político.

%d blogueiros gostam disto: